domingo, 7 de maio de 2017

Niponificação... cenas dos próximos capítulos I (Sail to the moon)



É, pessoal

E vai, e volta, e vou antes, e vou quando havia planejado.

Tá que tá uma bagunça!!!

Uma coisa boa que estou percebendo nisso tudo é que estou lidando com essas ondas grandes de uma maneira bem tranquila, sofrendo quando tenho que sofrer, sendo pró-ativo quando assim devo ser

Preparado pra um dilúvio!! (ou quase rssrs)


quarta-feira, 3 de maio de 2017

Niponificação precoce

Olha... capaz de eu ter que me mudar pro Japão antes do que eu esperava :/ Há umas certas restrições com o VISA que não imaginava....

....puxa.... e eu querendo aproveitar meu último verão nos Eua...

Não...não.... ainda não processei isso :S

sábado, 29 de abril de 2017

Feels like 23 ;)

Well, babe... infelizmente não estou falando de mim hahaha estou muito bem nos 32 hehe

Foi o frio de ontem!! Quem diria: quase Maio e ... essa semana nevou! Pqp! É inverno demais pra uma cidade só!

Bom...espero que esquente em breve!

Foi um post rápidinha. Vou lá, estudar japonês.

domingo, 16 de abril de 2017

Wallenderiando

Há uma diferença tênue entre a concisão e a incompletude das coisas. Ou talvez o gap esteja, diria, entre a ignorância daqueles que te ouvem/lêem e quanta água deve ir ali no que você escreveu.

Trabalhar em conjunto é complicado. 

Meio caminho entre meu excesso de palavras novatas e a concisão de alguém há anos e anos no ramo há um artigo e, nele, o quanto deve ser dito. 

Acho que já deixei de lado o orgulho de ver muito do que fiz jogado no lixo.... acho que não se trata disso... trata-se desse equilíbrio entre o excesso de concisão ("excesso de pouco") e a escassez do explicar com detalhes ("a falta do 'muito'")


I'm still figuring it out... 

sábado, 11 de março de 2017

Despropósito


"On the road that I’m on I must continue; if I do nothing, if I don’t study, if I don’t keep on trying, then I’m lost, then woe betide me. That’s how I see this, to keep on, keep on, that’s what’s needed.


But what’s your ultimate goal, you’ll say. The goal will become clearer, will take shape slowly and surely, as the croquis becomes a sketch and the sketch a painting, as one works more seriously, as one digs deeper into the originally vague idea, the first fugitive, passing thought, unless it becomes firm."


Vincent Van Gogh

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Dia de voltar pra casa

Finalmnte chegou a hora de voltar pra casa. Dei conta... mas nao vejo a hora de estar na mini apple

Acho que esses meses antes de vir vao ser importantes. Muito ha de ser decidido, muito ha de ser planejado e muito, muito preparo emocional da minha parte. Que nao me esqueca de abracar o lugar onde vivo, como fiz com b-town, com o Rio, com mini-apple: ha coisas boas onde quer que vc vah, cabe a vc aceita-las e abraca-las.

Aceitar mais uma coisa: de que tudo isso nao é um fim, mas parte do caminho :) Daqui ainda sigo pra outro porto... num porto tropical no qual, espero, venha a  jogar âncora.

Mais uma vez: quando vier, olhar para o presente mais do que para o futuro ou para o passado. Ver a beleza do que se passou: me mudou pra um lugar (eua) e lá construí uma casa!! E o mesmo no Rio! Acho que parte da poesia da coisa toda está aí: vc deixa raízes em diversos lugares por que você é um pouco de cada um deles, e carrega um pouco de cada um deles consigo .

A se ver.

No Earthquakes!! =)


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

9 vezes mais... ou, pros dias que você chorar pitangas

Olha.. pra não me esquecer do quão aflitivo é ouvir que vc vai ter que "se submeter" a morar num lugar muito pequeno por dois meses. Hoje a realidade de mudar pro Japão bateu na porta: ate ver apartamento eu fui.

A secretária do instituto novo me deu uns toques, fez umas ligações e... lá vou eu, ver casa. Felizmente, a primeira não foi tão ruim, nem a segunda (apesar d eme parecer velho, muito velho)... aí veio a possibilidade desses lugares não estarem nem um nem outro disponíveis quando eu vier.

E o que me sobra?

Há esse lugar minúsculo... meio quarto, meio sala, meio cozinha, meio banheiro

Aflito... saí de lá aflito. E nem mesmo encontrar quincãs sendo vendidas na rua me ajudou a me reestabelecer.

Num país de laranjas tão pequenas, em que laranjas normais não têm espaço para crescer, que o diga do espaço pros homens tomarem sol, terem varandas , cozinhas e banjos.

Hoje começou a cair a ficha: o Japão é longe... mas não posso me esquecer de algo: o Japão está aqui pra mim por que ele é parte do meu caminho, e esse caminho foi aminha escolha.

Abrace tuas dificuldades e se acolha. Hoje meus amigos, de muito longe, pra lá do pacífico, me acolheram e me ouviram chorando pitangas... e só chorando pitangas mesmo: qqr coisa maior que isso não caberia :P

Queria chorar mangas mas chorei acerolas. Reivindico espaço para todos. E initial fees mais justas.

Para o bem geral da nação


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

O mundo visto daqui desse lado

Visitando o Japão....e realmente apreensivo....

Cá estou, na terra do sol nascente,  país pro qual me mudo em Agosto de 2017. A mesma moeda que vejo hoje me trás à memória as moedinhas que um amigo da minha mãe (piloto de avião) havia me dado quando era criança. Pego o troco, me sinto instantaneamente criança.

Gosto, respiro e curto.

Mas  me aflijo...sem saber direito oque me aflige mais: se o que deixo pra trás ou oque me vem pela frente. Incrível... incrível mesmo como nos agarramos a tudo oque temos, independentemente do quão pouco isso significa, com medo de perder nossa identidade, com medo de nos perdermos no mundo. A posse, o ter,  é nosso medo do mundo?

O medo... que antes era o medo pessoal, o medo de não dar conta. Hoje, não sei qual é o medo exatamente... acho que de não encontrar meu caminho depois daqui? Vai ver é isso... também.

Aguardem-me, japonese, que logo mais eu volto.



sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Dentro/fora

Neste janeiro, revi um amigo em S'ao Paulo. Me lembrei de um papo que tivemos quando eramos mais novos. Ele havia comprado uma revista da epoca (show bizz ou algo assim) com uma entrevista com o Reginaldo Rossi. Nela, lia-se

"Reginaldo, vc eh um garanhao. Por que vc nao tem tantos filhos?"

 - Por que eu gozo fora"


Ai meu amigo me pergunta: "oque serah que ele quer dizer com isso?"

Nao soube responder... nao fazia ideia do que se tratava. Conjecturamos... mas nao resolvemos a questao

[risos :)]


sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

El empleo/o emprego






El empleo, por Santiago 'Bou' Grasso

[Uma boa animação pra começar o dia =) ]

Atrás do muro / tristesadays

Eu imaginaria de primeira que se trata de um post em paralelo a um, quem sabe, "atrás da porta"... um post sobre a sensualidade e prazer que rola do lado de lá, do lado do qual sabemos nada e ouvimos pouco, ficando aqui, do lado em que só imaginar é possível.

Mas não...a sensualidade, o prazer, a lascividade tem perdido espaço pra realidade política do mundo (que, arrisco dizer, chega a ser quase mais interessante que qualquer kama sutra, inventado, descoberto ou redescoberto por cada mortal pelos quatro cantos do mundo).

O presidente dos Eua diz em alto e bom som que planeja um muro separando os eua do México, fazendo com que os mexicanos paguem por isso.

Na verdade, se olharmos bem, é um muro separando a América: a Latina, e a do Norte.

triste... triste  :(

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Um pra lá, um pra cá

Descobri ontem à noite
Que aqui na mini apple, dia a dia, o sol aparece um minuto mais cedo
E se põe um minuto mais tarde
Numa valsa que só um astro como ele entende

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Horizonte da despedida

Ainda não consigo olhar pela janela, ver o céu de sol de inverno ali ao longe, e imaginar que este é meu último Janeiro nos EUA.

Não sei se estou triste quanto a isso também... acho que é a sensação de que estou mais próximo de jogar âncora em algum lugar que me dá um alento, embora há muito, muito mesmo a acontecer até lá.