segunda-feira, 30 de novembro de 2009

A visita

Hoje era pra eu ter saído de casa bem cedo. Cedo bem cedo mesmo, e assim o fiz. A pressa, no entanto, sempre me faz esquecer algo em casa, ao que, já dentro do elevador, tive que voltar ao meu apartamento, no desagradável e distante último andar, para pegar o esquecido objeto.

Entro correndo e deixo a porta aberta. Passa pela minha cabeça que uma porta aberta deixa de ter a funcionalidade de porta; os vizinhos podem então perscrutar minha sala, observar meus móveis, reparar nas manchas de umidade que minha parede carrega... "onde deixei, onde deixei?". Objetos perdidos-esquecidos deveriam ter um bipe de localização. A porta aberta, eu no corredor que leva aos quartos. Agora, carregava com as duas mãos o objeto... vejo de canto de olho que alguém está entrando.

Não acreditei. Olhei estático para o visitante, achei que fosse morrer, não só pela violência iminente que esperava sofrer, mas pelo medo"paralisado fique" que me transtornava. Um alce. Um alce grande e com cheiro de selva adentrava minha sala. Enorme, intratável... mas estranhamente, no seu semblante ruminando contente, havia paz e indiferença, como se a casa fosse sim dele, e não minha.

Corri para fechar a porta. Se para esconder dos vizinhos, ou se para guardar aquela vergonha para mim somente, não sei. Acho que na verdade corri para ver se alguém via aquilo também, ou se eu estava ficando mentalmente afetado e fugia de um sonho pela porta da realidade: indício de solidão talvez, ou algo parecido... devo ter batido a porta por reflexo. Me virei e olhei pra ele, que me dava as costas. Mais precisamente, suas nádegas. Não sei se para um quadrúpede se chama isso de nádegas.... que seja: ele realmente não me olhava de frente.

sábado, 28 de novembro de 2009

Mimos mimosos manufaturados à mão

Saudações para os que sentiram falta dos posts!!!

É...talvez eu não esteja falando com muita gente... bom, de qualquer forma, eu passei por aqui pra dizer que eu não desisti do blog. Estou falando isso por que se vc der uma olhada em outros por aí, vc vai ver que as pessoas estão sempre inventando uma desculpinha pra não escrever nada ou terminar seus blogs. Todo um drama pré-fabricado.... ao invés delas admitirem que lhes carece imaginação e boa vontade, elas dizem que a vida lhes demanda mais tempo, bla bla bla.... Ok, é meu caso também (falo da imaginação rsrsrs), mas eu nunca vou conseguir deixar de entediar vocês (deveria ter lotado de "!!!" para mostrar toda minha expressividade nesta sentença rsrs)

E ontem foi o show do acdc em sampa..deve ter sido foda. muuuuitoextremamenteincrivelmente foda... mas eu perdi - ainda mais por que tenho prova segunda próxima, oque indica o porque de eu vir postando tão pouco aqui ultimamente

Por conta desse momento rock n´roll meio fossa da minha vida, e só pra não dizer que não lembro de vcs sempre, eu vi uma coisa muito idiota por estes dias e me remeteu diretamente aos meus leitores... (façam a associação que vcs quiserem, mas isso foi um elogio): quis imediatamente compartilhar isso com vcs. É um vídeo dos muppets fazendo uma versão de Bohemian Rhapsody




Aí, vendo o vídeo eu me lembrei de uma outra mini versão de bohemian rhapsody qye aparece no filme do "mundo de wayne"...acho que no brasil ficou como "quanto mais idiota melhor"






Espero que vcs gostem... estou preparando outros posts, acho que vcs vão gostar

=)

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Dos blogs que eu vejo da minha janela

Por estes dias olhei para a tela do blog. Esta mesma tela que vc deve estar vendo agora:

pálida,
plana,
pálida,
cheia de letrinhas.

Senti que algo diferente acontecia. Meu olhos se mexiam furtivamente, procurando por algo que eu não sabia o que era.

olha pra direita,
olha pro alto,
corre pra cozinha com medo de deixar a comida queimar,
volta correndo e olha pro canto superior, ainda mais superior ( pois está acima do nome do blog)

"blog seguinte"

Incrível que, a curiosidade e, não sei se a lógica, me fez procurar quase que imediatamente por um botão do tipo

"blog antecedente"

Até agora não o achei. De qualquer forma, segui adiante, olhando para o olho mágico dos blogs que só me permitia olhar em uma direção (como todo olho mágico). Fiquei pensando se o blog da frente era um blog vizinho que nunca saberá da minha existência se eu não for lá e disser meu nome e lhe convidar pra uma rodada de truco, chá, bolos... ou uma rodada de cerveja. Devo também ser o vizinho da frente de alguma pessoa que fica a me perscrutar, analizar posts sem sentido sobre lagartixas doentes, mms derretendo etc. Vizinhos de corpo e alma que me são como sombras... dúvidas existenciais (ó, blogosfera cruel!)

Tendo olhado para o blog da frente, parei e pensei no quão chato era isso: olhar e ser olhado. Na verdade, olhar sem ser notado, ser observado sem consentir ou mesmo ter consciência disso. Saí correndo suando, percorrendo os milhares de quilômetros de teclas e letras-obstáculos que me separavam do botão do navegador para voltar à página anterior (caminho este que poderia muito bem ter sido encurtado por um atalho, o qual desconheço)... queria o abrigo do meu blog novamente. No entanto, mais uma vez, a dúvida veio se debater com a minha existência, e não pude senão apertar o botão

"blog seuinte"

novamente.

Como se olhasse duas vezes em nanosegundos de diferença, olho pelo olho-mágico-botão-blog-curioso-seguinte e vejo outra pessoa... outro blog, diferente do que eu acabara de ver!!! Agora uma pessoa mais alta e que usava um chapéu de médico do começo do século 19! Um outro blog, completamente diferente, um outro universo!

Depois deste acontecimento não procurei refúgio no meu próprio blog, mas sim fechei o navegador. Como um vizinho que, quando você começa a dar oi, a brincar com seus filhos e convidar os mais velhos da família pra fazer tricôt na sua sala, eles mudam de casa, e então vem uma outra família morar no seu lugar, e no outro dia uma outra.... como o homem da mitologia que toda vez que levava a pedra ao alto da montanha ela tornava a rolar montanha a baixo, e toda vez ele tinha que descer para ir buscá-la.

Ao menos eles não me vêm pedir açúcar...pelo menos não até agora


quarta-feira, 18 de novembro de 2009

O incrível mundo das lagartixas + cositas buenas



Olá, seres estranhos que acompanham o blog!!!


Tenho sentido falta de vcs!!! Tá... vcs não acreditam, mas tudo bem.... eu estava mentindo mesmo =)

Hoje vi uma lagartixa doente.... e fiquei triste, e até com dó do pobre réptil (é réptil mesmo?). Bom, que seja. só sei que ela estava doente, pois me deixava dar uns cutucões nela com a ponta do pé, ao que ela reagia só se deslocando de leve pra qqr direção que não meu pé, mas assim...beeem devagar, que nem ...ahh sei lá que nem oq, mas era bem devagar, cada movimento era devagar....

Inspirado pelo flamenco que ouço agora e pela imagem dos pequenos braços de lagartixa que procuram uma cama que não existe diante de si a cada toque dos meus pés, vou fazer um poema pra ela: para eternizar sua fragilidade e realçar todos os seus movimentos de bicho preguiçoso que aparece de vez em quando nos apartamentos sem samambaias na sala....

...nããão..desito do poema.. vai ficar só no post mesmo.

Mas fica bem, sra lagartixa!!!! Por favor!!!!

=0


sábado, 14 de novembro de 2009

O nariz

Bem... o post desta madrugada pós passeio de bicileta não será uma homenagem pra lá de devida ao conto homônimo do Gogol. Por sinal é um puta conto, vcs deveriam ler. Mas voltando, o passeio, não, o post é sobre o meu nariz. Isso, este pedacinho de cartilagem com um milhão de outras paradas e que, segundo a minha tia, lembra muito o nariz do meu tio (sem piadas =)

Uma vez na infância me disseram que quando o seu nariz escorre é agua do seu cérebro que tá indo embora: seu cérebro está sendo drenado. É, isto assusta os mais corajosos no fim das contas, mas não passa de uma lorota. Uma grande e doentia lorota rsrsrs Nem me lembro quem a contou pra mim..bom, o que importa é que meu nariz sempre que está "naqueles dias" em que ele escorre escorre, se põe a escorrer justamente quando eu estou fazendo algo importante. É como uma lei de murphy, mas não é bem alei de murphy, entende? É como o principio da incerteza e mecânica quântica... le não acontece só em mecânica quantica, acontece em várias coisas (análise de fourier, por ex)... o caso do nariz que escorre não é lei de murphy, mas sim um princípio diferente do qual não posso falar agora (falta de palavras pra tanto... ou ainda, preguiça =), mas acontece com muita gente. De fato, o seu nariz sempre escorre em ocasiões como esta:

1) vc está conversando com uma menina linda e ela e vc percebem que o seu nariz escorreu (isso quando isso não cai sobre o vestido dela rsrs);

2) todo mundo está olhando pra vc, vc conta algo engraçado, e quando vai rir o seu nariz escorre;

3) vc é o centro das atenções, a pessoa que está falando na hora, e quando vc está no ápice do discurso, voilà (sem direito à piada no final..claro, vc pode virar a piada, com certeza rsrs)

4) vc está fazendo vestibular

Aposto que algum dos casos acima já aconteceu com vcs!!! Não tem como!!!

Acho que o post de hj foi um desabafo.... to aproveitando pra postar enquanto ainda tenho um pouco de água no cérebro

=0

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Da varanda lá de casa

Ele varria a rua e o barulho era enorme. A kilômetros se pode ouvir; eu quase ficava surdo, que o diga conseguir dormir: impensável, impensável.... varrer a rua de madrugada. Nem parecia de verdade.

Achava que era alguém varrendo a rua, embora pudesse ser qqr coisa...de fato, até demorou pra eu perceber do que se tratava:

que não era um gato batendo a cabeça numa lata de lixo,

ou um morador de rua amassando uma latinha com uma bigorna,

ou um piano sendo levado pra casa num carrinho de feira

ou um ar condicionado no qual gotejava um outro ar condicionado,

no qual gotejava um outro ar condicionado

no qual gotejava outro ar condicionado,

no qual gotejava um quinto (ou seria sexto?) ar condicionado,

no qual gotejava a chuva

Eu saí, nao aguentei a raiva misturada com a curiosidade, e fui olhar pela minha varanda. Mas a varanda, estranhamente, me oferecia uma visão que antes eu não tinha: uma vista do meio da rua..como se minha casa tivesse andado durante meu sono!!! Tentei pender o corpo mais pra frente pra ver até onde minha visão alcançava, mas o prédio começou a cair e quando dei por mim já estava no chão. Ainda vivo, e de pé!!! Gritava com os outros moradores se eles queriam que eu trouxesse pão da padaria ali ao lado...

...continuava, porém, aquele barulho da gota do ar condicionado que caia na cabeça do homem que varria a rua, na qual passava um mendigo que amassava a bigorna com um gato que morava numa latinha de cerveja.....e que gotejava berros e miados... na frente da padaria, esperando que alguma senhora de coração mole lhe desse um pedaço do pão quentinho que saia àquela hora do forno.

Eu via tudo isso da fila.

sábado, 7 de novembro de 2009

Ode à Remolenga e a todos os monstros imaginários que me tiravam o sono =P

O sr humano cria os seus próprios medos. Deve haver uma explicação científica sobre essa história toda de filme de terror, montanhas russas. Não parecem coisas normais, e não vejo nenhum paralelo na existência de qualquer outro ser vivo sobre a Terra. Uma vez li que se alguém fala pr'uma criança que no escuro que ela vê à noite no seu quarto existem crianças felizes sorrindo, é isso que ela vai ver lá. Acho essa visão meio "ursinhos carinhosos" demais... talvez a maior consistência do bem seja a evidência do mal que o cerca... do contrário eles não são nada (ou uma coisa só, vai saber?).

Quando eu era criança eu tinha medo de alguns monstros que eu criava. Na verdade não criava, eu os via na minha cabeça... ou acreditava já tê-los visto uma vez. Pelo menos a remolenga eu vi!!! Minha mãe vivia me falando pra não ficar fazendo zona em casa: não ficar pulando, gritando... etc. Pra me fazer "acalmar" ela dizia que a vizinha do apartamento de baixo era uma bruxa... aí né, já sabe... eu comecei a acreditar que no banheiro na área de serviço havia uma passagem que ligava meu apartamento com o apartamento da vizinha feiticeira... e a bruxa que saia de lá era a tal de Remolenga. Não me perguntem de onde veio esse nome!!! Não faço idéia, talvez minha mãe saiba.

Incrível também isso de "ver o que se imagina". Não sei se é bem isso que acontece, mas crianças são seres especiais. Eu lembro que tinha um prédio pelo qual eu passava às vezes na frente com a minha mãe no qual eu via o bozo. Sério!!! Eu via o bozo!! Ele aparecia nas janelas, atrás das pilastras me dando tchau.. Bozo fdp!! Nunca veio até a portaria me dar oi!!! rsrsrs Mas um dia, de tanto que o zelador do prédio achava aquilo estarrecedor, ele nos deixou entrar. E o bozo não foi encontrado... vai ver ele estivesse no meio de um pico de pó e não ouviu a campainha imaginária que eu alucinadamente estava tocando naquele momento. O chapeleiro maluco passa, a Alice não olha, pois está babando de sono =)

Então... o post todo começou depois que a minha irmã me mostrou este filminho falando sobre uma criança com medo tentando dormir. Muito bom




legal é que eu acabei de me lembrar de um outro filminho francês que eu vi uma vez, o "le marchan des sable", que fala justamente de uma criança que não quer dormir. Vou postar os dois aqui



Aproveitem!!!! Os dois são muito bons!

=)

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Penitência

Oi,

Quer saber? Oi nada! To dando oi mas não queria, estou no mais profundo mal humor da face da Terra, do mundo todo ou do universo dos seres com mal humor. Por falar nisso, é incrivel como tem gente de mal humor assim que sai da cama, não? Não é meu caso, mas...bem, o que ocorre é que eu estou de mal humor por que estou morrendo de sono e não posso nem ir pra casa pra dormir, já que o sr esperto aqui esqueceu a chave de casa em algum lugar do seu querido lar e agora não tem ninguém lá para recebê-lo!

Merda!!! Alguém me arruma o sofá da sua casa pra eu dar uma dormida..pelo menos até a hora da janta!!!???

Que nada... pessoas duras e sem coração, meus pedidos não vão roubar uma única lágrima dos senhores. Há os que podem morrer desidratados com isso... eu tenho bom senso em não fazê-los chorar rsrsrs

Em vista de toda esse meu humor corrosivo, que acalenta os queridos leitores do blog com palavras ternas, quentinhas que nem pão de padaria quando sai do forno .... ahh...desisto.... não sei como terminar essa bajulação toda, vcs não merecem

=P


ps: amanhã eu peço desculpas!!! rsrsrs

ps2: é verdade!!

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Lascia ch'io pianga

O mais recente filme do diretor Lars von Trier, Anti Cristo tem a ver com o título sim..mas não é como naqueles filmes que tem uma criança que é a reencarnação do mal bla bla bla... é um terror suspense.
Coloquei abaixo a abertura do filme, na qual toca um ...nossa...foi muito bonito ouvir isso.. uma ária de Haendel. É sério, isso até daria um post ( que adio há tempos): me intriga toda vez que ouço ele, ou Bach, e conseguir sentir o que eles acreditavam, que era aquele sentimento de fazer música pra ficar mais próximo do que eles diziam ser deus. É algo muito bonito, muito mesmo...mas enfim, o trecho abaixo tem umas cenas fortes de sexo vou repetir... isso pode soar tanto como um alerta aos menores imprudentes (ou os de coração fraco) ou como uma boa jogada de marketing rsrsrs

O filme abaixo contém cenas de sexo, quase-explícito

Mas o filme não se trata disso... é a cena inicial do longa, na qual um casal está dando uns bjs enquanto o filho deles cai pela janela.




Uma cena muito bem feita. Espero que vocês curtam.

=)