terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Reflexões difusas no meio de um Dezembro frio ( ou "the great toy robbery")

Desde que mudei pros EUA todos meus natais, exceto pelo de 2010, foram no Brasil: ou com família de verdade ou com oque eu considerava minha família. Well... esse ano vai ser meio diferente. Confesso que ainda não caiu a ficha de onde estou no mundo. Remo, remo, remo, pareço ter uma direção, mas não um destino propriamente dito: me cerca a neblina, alguns poucos barcos que vejo à distância, indo sabe-se lá onde. Em suma: a vida não segue estática, mas me parecem estáticos meus esforços para fazê-la se mover e voltar ao que era antes. 

Sabe, isso me lembra um monte um conto do Júlio Cortazar chamado "casa tomada", que deixo aqui abaixo. Acho que é um pedaço da vida que não se alcança mais... uma parte da vida que foi tomada e lá está: só sei que ela existe, mas não posso mais tê-la. O conto é fenomenal e cheio de analogias. Ao que parece foi feito durante a Argentina Peronista (me corrijam caso esteja errado, pfv):

Nos gustaba la casa porque aparte de espaciosa y antigua (hoy que las casas antiguas sucumben a la más ventajosa liquidación de sus materiales) guardaba los recuerdos de nuestros bisabuelos, el abuelo paterno, nuestros padres y toda la infancia.Nos habituamos Irene y yo a persistir solos en ella, lo que era una locura pues en esa casa podían vivir ocho personas sin estorbarse. Hacíamos la limpieza por la mañana, levantándonos a las siete, y a eso de las once yo le dejaba a Irene las últimas habitaciones por repasar y me iba a la cocina. Almorzábamos al mediodía, siempre puntuales; ya no quedaba nada por hacer fuera de unos platos sucios. Nos resultaba grato almorzar pensando en la casa profunda y silenciosa y cómo nos bastábamos para mantenerla limpia. A veces llegábamos a creer que era ella la que no nos dejó casarnos. Irene rechazó dos pretendientes sin mayor motivo, a mí se me murió María Esther antes que llegáramos a comprometernos. Entramos en los cuarenta años con la inexpresada idea de que el nuestro, simple y silencioso matrimonio de hermanos, era necesaria clausura de la genealogía asentada por nuestros bisabuelos en nuestra casa. Nos moriríamos allí algún día, vagos y esquivos primos se quedarían con la casa y la echarían al suelo para enriquecerse con el terreno y los ladrillos; o mejor, nosotros mismos la voltearíamos justicieramente antes de que fuese demasiado tarde.

Irene era una chica nacida para no molestar a nadie. Aparte de su actividad matinal se pasaba el resto del día tejiendo en el sofá de su dormitorio. No sé por qué tejía tanto, yo creo que las mujeres tejen cuando han encontrado en esa labor el gran pretexto para no hacer nada. Irene no era así, tejía cosas siempre necesarias, tricotas para el invierno, medias para mí, mañanitas y chalecos para ella. A veces tejía un chaleco y después lo destejía en un momento porque algo no le agradaba; era gracioso ver en la canastilla el montón de lana encrespada resistiéndose a perder su forma de algunas horas. Los sábados iba yo al centro a comprarle lana; Irene tenía fe en mi gusto, se complacía con los colores y nunca tuve que devolver madejas. Yo aprovechaba esas salidas para dar una vuelta por las librerías y preguntar vanamente si había novedades en literatura francesa. Desde 1939 no llegaba nada valioso a la Argentina.Pero es de la casa que me interesa hablar, de la casa y de Irene, porque yo no tengo importancia. Me pregunto qué hubiera hecho Irene sin el tejido. Uno puede releer un libro, pero cuando un pullover está terminado no se puede repetirlo sin escándalo. Un día encontré el cajón de abajo de la cómoda de alcanfor lleno de pañoletas blancas, verdes, lila. Estaban con naftalina, apiladas como en una mercería; no tuve valor para preguntarle a Irene qué pensaba hacer con ellas. No necesitábamos ganarnos la vida, todos los meses llegaba plata de los campos y el dinero aumentaba. Pero a Irene solamente la entretenía el tejido, mostraba una destreza maravillosa y a mí se me iban las horas viéndole las manos como erizos plateados, agujas yendo y viniendo y una o dos canastillas en el suelo donde se agitaban constantemente los ovillos. Era hermoso.

Cómo no acordarme de la distribución de la casa. El comedor, una sala con gobelinos, la biblioteca y tres dormitorios grandes quedaban en la parte más retirada, la que mira hacia Rodríguez Peña. Solamente un pasillo con su maciza puerta de roble aislaba esa parte del ala delantera donde había un baño, la cocina, nuestros dormitorios y el living central, al cual comunicaban los dormitorios y el pasillo. Se entraba a la casa por un zaguán con mayólica, y la puerta cancel daba al living. De manera que uno entraba por el zaguán, abría la cancel y pasaba al living; tenía a los lados las puertas de nuestros dormitorios, y al frente el pasillo que conducía a la parte más retirada; avanzando por el pasillo se franqueaba la puerta de roble y mas allá empezaba el otro lado de la casa, o bien se podía girar a la izquierda justamente antes de la puerta y seguir por un pasillo más estrecho que llevaba a la cocina y el baño. Cuando la puerta estaba abierta advertía uno que la casa era muy grande; si no, daba la impresión de un departamento de los que se edifican ahora, apenas para moverse; Irene y yo vivíamos siempre en esta parte de la casa, casi nunca íbamos más allá de la puerta de roble, salvo para hacer la limpieza, pues es increíble cómo se junta tierra en los muebles. Buenos Aires será una ciudad limpia, pero eso lo debe a sus habitantes y no a otra cosa. Hay demasiada tierra en el aire, apenas sopla una ráfaga se palpa el polvo en los mármoles de las consolas y entre los rombos de las carpetas de macramé; da trabajo sacarlo bien con plumero, vuela y se suspende en el aire, un momento después se deposita de nuevo en los muebles y los pianos.

Lo recordaré siempre con claridad porque fue simple y sin circunstancias inútiles. Irene estaba tejiendo en su dormitorio, eran las ocho de la noche y de repente se me ocurrió poner al fuego la pavita del mate. Fui por el pasillo hasta enfrentar la entornada puerta de roble, y daba la vuelta al codo que llevaba a la cocina cuando escuché algo en el comedor o en la biblioteca. El sonido venía impreciso y sordo, como un volcarse de silla sobre la alfombra o un ahogado susurro de conversación. También lo oí, al mismo tiempo o un segundo después, en el fondo del pasillo que traía desde aquellas piezas hasta la puerta. Me tiré contra la pared antes de que fuera demasiado tarde, la cerré de golpe apoyando el cuerpo; felizmente la llave estaba puesta de nuestro lado y además corrí el gran cerrojo para más seguridad.Fui a la cocina, calenté la pavita, y cuando estuve de vuelta con la bandeja del mate le dije a Irene:-Tuve que cerrar la puerta del pasillo. Han tomado parte del fondo.Dejó caer el tejido y me miró con sus graves ojos cansados.-¿Estás seguro?Asentí.-Entonces -dijo recogiendo las agujas- tendremos que vivir en este lado.Yo cebaba el mate con mucho cuidado, pero ella tardó un rato en reanudar su labor. Me acuerdo que me tejía un chaleco gris; a mí me gustaba ese chaleco.Los primeros días nos pareció penoso porque ambos habíamos dejado en la parte tomada muchas cosas que queríamos. Mis libros de literatura francesa, por ejemplo, estaban todos en la biblioteca. Irene pensó en una botella de Hesperidina de muchos años. Con frecuencia (pero esto solamente sucedió los primeros días) cerrábamos algún cajón de las cómodas y nos mirábamos con tristeza.-No está aquí.Y era una cosa más de todo lo que habíamos perdido al otro lado de la casa.Pero también tuvimos ventajas. La limpieza se simplificó tanto que aun levantándose tardísimo, a las nueve y media por ejemplo, no daban las once y ya estábamos de brazos cruzados. Irene se acostumbró a ir conmigo a la cocina y ayudarme a preparar el almuerzo. Lo pensamos bien, y se decidió esto: mientras yo preparaba el almuerzo, Irene cocinaría platos para comer fríos de noche. Nos alegramos porque siempre resultaba molesto tener que abandonar los dormitorios al atardecer y ponerse a cocinar. Ahora nos bastaba con la mesa en el dormitorio de Irene y las fuentes de comida fiambre.Irene estaba contenta porque le quedaba más tiempo para tejer. Yo andaba un poco perdido a causa de los libros, pero por no afligir a mi hermana me puse a revisar la colección de estampillas de papá, y eso me sirvió para matar el tiempo. Nos divertíamos mucho, cada uno en sus cosas, casi siempre reunidos en el dormitorio de Irene que era más cómodo. A veces Irene decía:-Fijate este punto que se me ha ocurrido. ¿No da un dibujo de trébol?Un rato después era yo el que le ponía ante los ojos un cuadradito de papel para que viese el mérito de algún sello de Eupen y Malmédy. Estábamos bien, y poco a poco empezábamos a no pensar. Se puede vivir sin pensar.(Cuando Irene soñaba en alta voz yo me desvelaba en seguida. Nunca pude habituarme a esa voz de estatua o papagayo, voz que viene de los sueños y no de la garganta. Irene decía que mis sueños consistían en grandes sacudones que a veces hacían caer el cobertor. Nuestros dormitorios tenían el living de por medio, pero de noche se escuchaba cualquier cosa en la casa. Nos oíamos respirar, toser, presentíamos el ademán que conduce a la llave del velador, los mutuos y frecuentes insomnios.

Aparte de eso todo estaba callado en la casa. De día eran los rumores domésticos, el roce metálico de las agujas de tejer, un crujido al pasar las hojas del álbum filatélico. La puerta de roble, creo haberlo dicho, era maciza. En la cocina y el baño, que quedaban tocando la parte tomada, nos poníamos a hablar en voz más alta o Irene cantaba canciones de cuna. En una cocina hay demasiados ruidos de loza y vidrios para que otros sonidos irrumpan en ella. Muy pocas veces permitíamos allí el silencio, pero cuando tornábamos a los dormitorios y al living, entonces la casa se ponía callada y a media luz, hasta pisábamos despacio para no molestarnos. Yo creo que era por eso que de noche, cuando Irene empezaba a soñar en alta voz, me desvelaba en seguida.)Es casi repetir lo mismo salvo las consecuencias. De noche siento sed, y antes de acostarnos le dije a Irene que iba hasta la cocina a servirme un vaso de agua. Desde la puerta del dormitorio (ella tejía) oí ruido en la cocina; tal vez en la cocina o tal vez en el baño porque el codo del pasillo apagaba el sonido. A Irene le llamó la atención mi brusca manera de detenerme, y vino a mi lado sin decir palabra. Nos quedamos escuchando los ruidos, notando claramente que eran de este lado de la puerta de roble, en la cocina y el baño, o en el pasillo mismo donde empezaba el codo casi al lado nuestro.

No nos miramos siquiera. Apreté el brazo de Irene y la hice correr conmigo hasta la puerta cancel, sin volvernos hacia atrás. Los ruidos se oían más fuerte pero siempre sordos, a espaldas nuestras. Cerré de un golpe la cancel y nos quedamos en el zaguán. Ahora no se oía nada.-Han tomado esta parte -dijo Irene. El tejido le colgaba de las manos y las hebras iban hasta la cancel y se perdían debajo. Cuando vio que los ovillos habían quedado del otro lado, soltó el tejido sin mirarlo.-¿Tuviste tiempo de traer alguna cosa? -le pregunté inútilmente.-No, nada.Estábamos con lo puesto. Me acordé de los quince mil pesos en el armario de mi dormitorio. Ya era tarde ahora.Como me quedaba el reloj pulsera, vi que eran las once de la noche. Rodeé con mi brazo la cintura de Irene (yo creo que ella estaba llorando) y salimos así a la calle. Antes de alejarnos tuve lástima, cerré bien la puerta de entrada y tiré la llave a la alcantarilla. No fuese que a algún pobre diablo se le ocurriera robar y se metiera en la casa, a esa hora y con la casa tomada.
Casa Tomada, Julio Cortázar 

[Acho isso bem intenso e forte...]

Talvez seja chato pra vc leitor, que passou por aqui de bobeira, tropeçou nesse link/post esperando um conto natalino como eu já postei no passado, uma rabanada, um pedaço de panetone ou vinho de Bordeaux. Me perdoe então desde já: neste ano não vai ter ceia propriamente dita. Lição número um do dia: siga seu rumo sempre atento! Tire esse momento pra refletir, para pensar no que você busca pra 2015, no que você busca praquilo que considera "futuro" e como você quer viver seu presente. Que a vida não lhe roube brinquedos, que a vida lhe dê alegrias e sorrisos, passeios de bicicleta pela manhã, dias de sol na varanda de casa, um sorriso sincero e alegre, um olhar sereno, um umbigo bonito e cheio de cor. Desejo paz e tudo oque há de melhor pra vocês.

E agora, para não dizerem que não falei de flores e terminar o post, deixo um desenho natalino do qual gosto muito. Feliz natal a todos e ótimo 2015.

Rafaello




quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Desfolhando (a 8 de dezembro de 2014)


Às vezes quando, abatido e humilde, a própria força de sonhar se me desfolha e se me seca, e o meu único sonho só pode ser o pensar nos meus sonhos, folheio-os então, como a um livro que se folheia e se torna a folhear sem ter mais que palavras inevitáveis. É então que me interrogo sobre quem tu és, figura que atravessas todas as minhas visões demoradas de paisagens/outras/, e de interiores antigos e de cerimoniais faustosos de silêncio. Em todos os meus sonhos ou apareces, sonho, ou, realidade falsa, me acompanhas. Visito contigo regiões que são talvez sonhos teus, terras que são talvez corpos teus de ausência e desumanidade, o teu corpo essencial descontornado para planície calma e monte de perfil frio em jardim de palácio oculto. Talvez eu não tenha outro sonho senão tu, talvez seja nos teus olhos, encostando a minha face à tua, que eu lerei essas paisagens impossíveis, esses tédios falsos, esses sentimentos que habitam a sombra dos meus cansaços e as grutas dos meus desassossegos. Quem sabe se as paisagens dos meus sonhos não são o meu modo de não te sonhar? Eu não sei quem tu és, mas sei ao certo o que sou? Sei eu o que é sonhar para que saiba o que vale o chamar-te o meu sonho? Sei eu se não és uma parte, quem sabe se a parte essencial e real, de mim? E sei eu se não sou eu o sonho e tu a realidade, eu um sonho teu e não tu um sonho que eu sonhe?
Que espécie de vida tens ? Que modo de ver é o modo como te vejo? Teu perfil? Nunca é o mesmo, mas não muda nunca. E eu digo isto porque o sei, ainda que não saiba que o sei. Teu corpo? Nu é o mesmo que vestido, sentado está na mesma atitude do que quando deitado ou de pé. Que significa isto, que não significa nada?

de Fernando Pessoa, trecho em " O livro do desassossego"

Emaranhamento orgânico - Gottingen


[Achei linda a imagem]
[Fiquei impressionado na hora que vi a cena]
[Infelizmente minha câmera teve a capacidade de estragar bastante a qualidade dela]
[Enfim....]

Um dia de chuva - Bordeaux






[Fiquei um tempão esperando alguém atravessar a rua pra poder tirar uma foto, mas ninguém aparecia.]
[Acho que estavam todos em casa, numa deliciosa manhã de sábado]
[Daquelas perfeitas pra se ficar em casa, debaixo das cobertas, vendo filme, dando uns beijos etc]
[Infelizmente, não era o meu caso: estava na rua aproveitando meu único dia livre na cidade]
[com a desculpa de encontrar um bom vinho =) ]

domingo, 30 de novembro de 2014

Postal/Puzzle - Bordeaux




Foi o único desenho que fiz nessa minha última viagem. Acho que não perdi a técnica, apenas mudou minha forma de olhar as coisas. Às vezes ainda me vem essas fagulhas por dentro, e as coisas acontecem: comecei a pensar no que escrever pruma amigona que mora no Brasil e saiu isso. Fazia tempo que não desenhava inspirado, com uma idéia que se mantém por si mesmo enquanto me enveredo por ela. Tomara que ela curta =)


ps: tentei manter um "princípio de universalidade", em que as coisas mantêm-se meaningful não apenas para uma pessoa.. fica meio genérico mas mais fácilmente assimilado. Não há nada muito específico neste postal, acho: datas, lugares, nomes (exceto pelo meu ao final)

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Do que sao feitos os sonhos/break apart

Muitas, mas muitas coisas mesmo me puxando pra traz, breaking me apart. De que material são feitos meus sonhos? Oque nutre minha vontade, minha persistência? Me pergunto... olho pro nada, pedalo.. acho que vivo-vegeto-vivo. Alterno minha existência entre esses dois estados. 

Não é bom olhar pra trás, mar que não está no meu horizonte... Essas ondas todas que tentam virar meu barco... me pergunto se elas estão ali para me fazerem mudar de rumo ou para me mostrar que oque existe não é só um caminho, mas a vontade de seguir adiante. Do que é feito meu barco? Do que são feitos meus sonhos?

Thanksgiving nos eua.. cidade vazia, eu trabalhando. Será que sou alma viva na faculdade? Devo ser... penso nas outras almas que conheço por aqui... todos já se foram. Será que chegou minha vez? Penso no Brasil, penso nos meus projetos neblinosos, pouco ou ainda nada palpáveis, no que tive que jogar pra fora do barco nesse percurso, no que pulou pra fora do barco pra seguir outro rumo, nos botes que avistei, nas ilhas que vi ao longe... mas no fundo ainda remo, remo. Acho que hoje me esqueci de olhar pro alto, de fechar os olhos, de sentir esse céu azul, o frio que faz com que eu me sinta mais vivo ao tentar corroer minha pele.

Espero a chuva. 
Não.
Espero a neve. 

Em alto mar, será que neva? 

Me levanto pra bisbilhotar meu entorno. "Àquilo dá-se o nome de 'horizonte' ", diz um pato que migra.

Acho que no fundo eu queria ter mais sonhos: vai ver meu barco é movido por eles (por que não?). Vai ver eu preciso de mais dias de sol, mais noites de calor, mais manhãs ouvindo Jorge Ben, menos saudade do que está longe, um pouco de cola pros pedaços de mim que querem se desprender, um pouco de tape pras partes que já caíram e se mantêm ainda presas diante do meu esforço, uma rede pra aprisionar sonhos que querem ir embora (como aquelas dos caçadores de borboletas).


ps: vai ver eu só preciso de férias.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Vida toda pela metade (?)

Vai ver no fim das contas isso tudo não passa de uma busca por mim mesmo. Acho que ver essas pessoas se degladiando por causa da segunda lei da termodinâmica ou ver um monte de palestras ruins tem me feito pensar com mais cuidado quanta cumplicidade diante de mediocridade (ok ok..talvez seja muito... mas vamos colocar assim) devemos carregar pra seguir adiante. Fazia tempo que não me vinha esse sentimento/sensação de vida pela metade: o teorema que vc quer?? não não... muito longe de ser provado e muito difícil, contente-se com essa versãozinha mais fraca e que não se aplica a caso real algum... a garota que vc queria??? Não não... contente-se em vê-la com outro e vc ficar com alguém que não te cative... o sonho que vc teve?? É... foi só um sonho mesmo, e ainda te acordaram na melhor parte. 

Melhor parar por aqui... hoje só faltou chover pedras.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Esperando Rigoberto

Eua. Cheguei no aeroporto. Uffa. Desembarque. Ainda preciso pegar minha mala. É... não é bem uma conexão: eu que dei um jeito de fazer minha própria conexão, que me sairia mais barato. Preciso correr ainda pra descobrir onde fica a tal scandinavian airlines. Alguém aí sabe?

"Esteira #3"

Lá vou eu pegar minha mala. 

Passo pelo desembarque. Vejo um grupo gigante de pessoas com cartazes. Todas animadas. Num deles, um cartaz numa cartolina azul, lia-se

"WELCOME
RIGOBERTO!!!"

Eu olhei na primeira e me passou batido. Mas o nome... não pude deixar de olhar de novo, meio que perplexo. Rigoberto????!!! Aqui, no meio dos eua???

Por um acaso, minha esteira era logo ali. De canto de olho, eu olhava aquele grupo que esperava Rigoberto chegar. Grupo enorme, como já disse antes. Todos felizes. Riiiindo. Aposto que falavam de Rigoberto. Contavam histórias sobre ele. As pessoas se olhavam felizes, cartazes, um, dois, três, todos de cores diferentes. 

E nada da minha mala.

Uma vontade enorme de voltar lá e esperar Rigoberto também. As pessoas riam mais ainda. Vai ver contavam aquele caso do rigoberto... daquele dia que ele pegou carona num caminhão de maracujá na fronteira do Paraguai pra andar 5 quadras, caiu no sono e foi parar na Argentina. Ou daquele dia em que ele saiu vendendo biscoito globo na praia e não deu outra: voltou casado! Ou do dia em que ele vendeu o apartamento que o pai lhe deixou de herança no Meyer, comprou uma combi e saiu pelo mundo. Vai ver foi com esse dinheiro que ele veio pros Eua, e agora os amigos lhe esperam. Eêêêê... Rigoberto. As pessoas riam de felicidade e o esperavam.

Minha mala ainda nada.... espio de canto de olho: as pessoas estão agitadas, mas se abraçam. Uma criança segura e agita o cartaz azul no ar. Seria Rigoberto quem vem lá?

Não era. 

[Apito da esteira]

Chega minha mala. Olho pra trás. Fico entre me juntar ao grupo, pois me sobra tempo, e comer algo antes da jornada de 8 horas que me separa do meu destino. Penso com mais cuidado: talvez Rigoberto não apareça. Seria como um "esperando Godot", versão aeroporto. É... talvez seja melhor ir embora.

Esperançoso,  ainda olho pra trás mas uma vez. Não vejo muita coisa... só uma cartolina enorme e azul.



domingo, 19 de outubro de 2014

Hello my baby


Indo à Europa pela segunda vez... quem diria... espero que me recebam bem por lá :)

sábado, 18 de outubro de 2014

Canção doméstica

O post de hoje é uma singela homenagem ao homem que passa a noite de sábado  limpando a casa.

Façamos desse momento prosaico algo mais agradável e deleitoso.

Essa é pra você, bonitão.

[Imagine uma vinheta de rádio bem vagabunda]
[algo como um homem com uma voz grave seguido de vozes de cantoras  repetindo suas últimas palavras em uníssono]





ps #1: você leitor(a) está muitíssimo enganado(a) ao pensar que este é um post pra mim mesmo.
ps #2: que? oque eu estava fazendo nesse dia/nessa hora?! =P



quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Sobre a banalização do discurso do amigo

Tá meio difícil conversar com as pessoas. Ninguém mais ouve o outro ou critica construtivamente, todo mundo só sabe dizer que vai dar tudo certo. Cacete, oque vai dar certo?! Como?! Por que?! Parece que eu estou numa livraria de auto-ajuda onde todos os vendedores decoraram passagens dos livros que vendem rsrsrs raríssimas as pessoas que param e me perguntam: "ok, ok... pára respira e me fala oque está acontecendo... oque vc está fazendo pra contornar a situação?!" É a banalização da auto-ajuda!!! hahaha  A banalização do discurso do amigo!! Cadê quem aponte onde tá dando/vai dar merda? Quem ponha o dedo na sua cara e fale que vc está equivocado, onde vc está indo astray/saindo-do-eixo/perdendo-a-linha? Ou será que amigos não servem pra isso?!

Criticar não é algo ruim. É santo agostinho que falava que preferia os que o criticavam que os que o adulavam, pois estes o corrompiam, não? Então... 


Então nada!! Mal eu sei oque digo!! Vou lá, remar meu barquinho (pra Suécia!! =) 

#verbalize #autoajudaporranenhuma

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

5 minutos + metamorfose

É meio triste ter que admitir isso, mas acho que me tornei uma pessoa ocupada... daquelas que só consegue arrumar tempo pros amigos entre dois afazeres importantes, daquela que não tem tempo pra ligar ou que deixa de ligar por que tem algo pra fazer dali a 5 minutos.

E não parece existir salvação... acho que vou me transformar num cactus!

ps: não, não...  não me tornei uma pessoa importante =P

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Windows

Acho que no mundo existe dois tipos de pessoas: as que trabalham em escritorios com janelas e as que trabalham em escritórios sem janelas.... nao, minto... talvez existam 3 tipos de pessoas no mundo: as que trabalham em escritórios com janelas, as que trabalham em escritórios sem janelas e as que de fato não trabalham... Pensando bem, talvez existam 4 tipos: as que trabalham em escritorios com janelas, as que trabalham em escritorios sem janelas, as que não trabalham e as que de fato não trabalham em escritórios ...Melhor parar por aqui, abrir a janela, respirar um ar puro e voltar pros meus afazeres...

domingo, 7 de setembro de 2014

Phase transitions #1

Tenho andado meio sumido, eu sei. Mais uma vez. Nada de depressão, jururuzice ou ensimesmice; só vivendo essa transição mesmo... uma transição pra algo que não sei oque é. Tentando me manter íntegro, intacto e não me despedaçar diante dos desafios e medos, tentando me carregar nas costas e encarar meus sonhos, minhas ambições, meus desafios como se fosse a coisa mais natural a se fazer. Me repito, me minimalizo, me desencanto comigo mesmo. Algo me dói mas não sei oque é. O sol já bate na minha janela, saio a céu aberto, olho ao meu redor. Água, água... remo, remo...  coloco um caetano pra ouvir e preencher minha manhã e seguir remando


[Imagine um remador ouvindo essa música no meio do mar]
[num rádio bem ruim ]
[música + som de ondas]



Melhor não pensar muito e apenas agir. VENÇA O MEDO E A PREGUIÇA! ... talvez seja essa a lição do dia.

sábado, 9 de agosto de 2014

A small step to a higher order

Poutz.... fico aqui pensando se o problema todo está na natureza da singularidade... "será que eu devo ir pruma ordem mais alta? Será que estou alterando a ordem da singularidade em algum momento e não me dei conta?" 

Me pergunto, da mesma forma que você deve estar se perguntando "que merda é essa da qual ele está falando???!!! ". 

Acredite, eu também estou perdido. Pedalo num dia chuvoso, volto pra casa num dia chuvoso... me pergunto se alguém no mundo se preocupa com meus problemas além de mim... certamente ninguém. Me pergunto o quanto desses problemas são na verdade meus e quanto são deles. Matemática é psicoterapia algumas vezes... me pego engalfinhado com problemas, me descabelo por eles, enquanto deveria ser paciente com os mesmos. Será que eu tranquei o cadeado da bicicleta? Divago, mas ainda assim caminho. Vou pra sessão do supermercado da qual mais gosto... talvez haja felicidade/joy nisso... um dia de perguntas bestas. Todas as verduras estão murchas... é, talvez hoje não seja um bom dia pra me perguntar algumas coisas (inclusive perguntas bestas). Talvez seja, isso sim,  questão de dar um tempo e, em algum outro dia, quando elas estiverem de mais bom humor e boa vontade, voltar a elas. Aí quem sabe as coisas pareçam mais frescas e verdes.... nada como verduras tristes e cabisbaixas que não tive coragem de trazer pra casa hoje. Ou será que eu falava das minhas perguntas? 




quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Fora de tempo

Acordo cedo pensando em me me dar um abraço, mas já é tarde: já estou na cozinha preparando meu café. Como um zumbi, não me dou conta dos minutos a mais que passo dormindo. Perco-a-hora-poutz! Levanto-me e, como num repente e ainda pensando no abraço não entregue ao seu dono, corro pra cozinha disposto então a me dar um beijo de surpresa...mas já é tarde: não estou mais em casa. Me espero por diversas horas, penso ando posso estar, alimento idéias, boas, ruins... vejo se estou online... me envio uma mensagem, mas não obtenho resposta. Num ato de desatino, saio em desvario ao meu encontro. "Devo estar no trabalho!!", digo pra mim mesmo. Chego lá ofegante, correndo.. mas nem toda a pressa faz com que me encontre. Já é tarde... talvez tenha esperado demais... não estou mais lá, nem em lugar algum. 

Volto pra casa, pensando na sorte que seria me encontrar no caminho.  Engano-me... não sei onde estou... "epa! Acho que me vi"... mas não... só um reflexo num vidro. Chego em casa e vejo que me perdi por pouco: passei em casa... droga... sempre por um triz.

Espero pacientemente diante do cair da noite mas não dou o ar da graça. Decido ir pra cama. Caio no sono... acordo com um barulho. "-Alguém cantando". Por um segundo acredito que sou eu chegando, mas parece ser só um bêbado na rua. 

Abro os olhos... 

suspiro.

domingo, 27 de julho de 2014

Pause - summer 2014



Chicago - mid July/summer 2014


Em meio a ondas de shock e Glimms schemes, aulas um tanto cedo, piscina logo antes
... respire... férias
Estado da vida enquanto verão: uma pausa
Me dissecando, dias sabáticos
... nada de flertar com as flores

quinta-feira, 10 de julho de 2014

"7x1" e a mercantilização da força de vontade






































Do livro, "Rules of Summer", de Shaun Tan

Hoje, 30 anos desde quando o Amyr Klink completou a travessia do Atlântico a remo, três pessoas estão planejando a mesma travessia. Perguntado sobre o caso e se botava fé em algum deles, o próprio Amyr disse (segundo meu cunhado ouviu numa palestra do Amyr):

"-Dois deles já ficam cantando vitória, postando fotinho no facebook, no instagram... ao invés de se dedicarem ao projeto. Acho que esses não vão conseguir. O terceiro é diferente... este eu acho que pode conseguir."

Lembrei dessa história depois da derrota por 7 a 1 contra a Alemanha. Pensei no papel de moleques mimados a que os jogadores se prestaram... e vi que havia uma conexão. Jogador postando fotinho no instagram o tempo todo, ou preocupado em mostrar a cueca da qual faz merchandizing durante os  jogos...   existe seriedade nisso? Como confiar num profissional desse? Quão inesperado foi ver a seleção brasileira jogando como um time de 3a divisão diante de um time técnico e extremamente profissional como a Alemanha?

Acho que dá pra divagar muito sobre o assunto, mas hoje fico por aqui. 

ps: vou virar Argentino!!! =P

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Sonho #2 (cinco garfos)

Recebo visitas na casa branca

Me dirijo à cozinha para pegar talheres

Abro a gaveta e só encontro cinco garfos

WTF????!!

Olho para as pessoas surpreso ...

... e de certa forma aterrorizado

Essa noite ninguém come sopa.


Sonho #1 (confessionário )

Chego numa sala.

O padre que fez minha primeira comunhão (é, eu sofri essas coisas também ) está com mais alguém (coroinha?) e se preparando pra rezar a próxima missa.

Peço desculpas por não vir há anos numa igreja e não mais acreditar em deus.

Começo a falar e a falar, mas pergunto se ele tem um tempinho para que eu continue ...

" - ... posso voltar mais tarde",digo.

Ele pede para que eu continue.

Eu continuo.

Ele insistentemente olha para o relógio....

[Acordo]
[Que merda foi essa?]

domingo, 15 de junho de 2014

...um grão e uma semente...



Acordo no meio da noite. 

"- Open your hands... fell the energy spreading through your fingers..."

[ a frase na minha cabeça]

Durmo com as mãos fechadas... minha energia flui? Quero toda ela pra mim por que pareço ter pouco; agarro-me ao que me resta com afinco... é necessário. Penso...  recordo... Brasil... saudade (?)...quero cair no sono mas não consigo.....lembro... sinto... acordamos cedo...manhã já.... ela precisa ir pro trabalho. Saio da casa dela, sem casa, sei pra onde me dirijo, não sei direito pra onde vou... saio atordoado... first dates? Nunca sou muito bom com eles... acho que sou meio tímido. A timidez desaparece quando a vejo... admiro o andar dela... a minha curiosidade...

"... just smile... spread good energy..."

Um mundo novo de novo. Começa a chover sementes e grãos lá fora. As ruas da zona sul carioca se tornam intransitáveis... sementes que, mesmo sem água, insistem em ir fundo dentro do terreno asfaltado do meu eu... atordoa e me abala... intensidade.... grãos... aflição.

[tosse]
[tosse]
[... é excesso de pólen... o mundo quer criar vida...]
[...e você tem que engolir aquilo]

não sei se ela quer mais uma vez.. ouço sim mas a dúvida também. ..."algumas pessoas têm que ir para poder voltar..."

" ...open your hands..." 

....minhas mãos se abrem entre as mãos dela... não há energia pra dissipar... o toque da pele cria energia por si mesmo... amanhã você acorda cedo, vamos dormir.

Acordo. Me levanto, mas continuo dormindo ao lado dela... que caiu no sono em algum momento... a cama coberta de pólen... frutas pro café da manhã.. não sei oque fazer... corto a fruta que ela mais gosta... não sei oque fazer... van gogheio: arranco um dedo fora e o escondo debaixo do sofá.. assim um pedaço de mim fica pra trás de vez .

[ou será que sempre tive um pedaço de mim ali?]

 Ela vai... eu vou... ninguém sabe se haverá um voltar, um outro encontro. Penso nos quatro anos ausentes e distantes... me entristeço, não sinto arrependimento por ter ido, mas penso se tudo valeu a pena.. distância, sonhos... intensidade.

Caminho.
Caminho...

...uma pedra no sapato... pedra-semente.. a jogo de lado... ela germina e sua folha verde parece me acenar um tchau. Significaria isso algo? Não respiro muito bem... " it's pollen, man...it's pollen... "... sua mente está longe dali... você pensa se valeu a pena... "tudo vale a pena quando a alma não é pequena"... você se lembra do trecho mais chato/cheap de Fernando Pessoa ... sua alma tem o tamanho de um grão... que não germina.

Relaxe... vc relaxa e flutua... sua cabeça no teto. Seus olhos caem sob o peso do sono. Diante de algo que te parece óbvio, vc sussurra pra si mesmo.... o problema é outro... o problema é espiritual.

"...open your hands..."

.... minhas mãos se abrem entre mãos algumas... há energia pra dissipar mas eu as fecho... "amanhã você acorda cedo, vamos dormir", digo pra mim mesmo. Caio no sono, mas acordo ainda mais uma vez antes de chegar o dia. Minhas mãos estão cerradas.

sábado, 7 de junho de 2014

UM UM UM

[Pra ser lidouvido]


[111]

Todo o homem de hoje, em quem a estatura moral e o relevo intelectual não sejam de pigmeu ou de charro, ama, quando ama, com o amor romântico.

O amor romântico é um produto extremo de séculos sobre séculos de influência cristã; e, tanto quanto à sua substância, como quanto à sequência do seu desenvolvimento, pode ser dado a conhecer a quem não o perceba comparando-o com uma veste, ou traje, que a alma ou a imaginação fabriquem para com ele vestir as criaturas, que acaso apareçam, e o espírito ache que lhes cabe.

Mas todo o traje, como não é eterno, dura tanto quanto dura; e em breve, sob a veste do ideal que formamos, que se esfacela, surge o corpo real da pessoa humana, em quem o vestimos.

O amor romântico, portanto, é um caminho de desilusão. Só o não é quando a desilusão, aceita desde o princípio, decide variar de ideal constantemente, tecer constantemente, nas oficinas da alma, novos trajes, com que constantemente se renove o aspecto da criatura, por eles vestida.
Fernando Pessoa, O livro do desassossego

domingo, 25 de maio de 2014

Formiguice abstracionista

Sim... vcs já imaginaram o meu usual post pós visita ao Brasil... mas não vou falar muito... melhor não falar muito sobre isso agora. Vou falar, isso sim, sobre um pedaço da viagem que achei muito bonito, que foi sobrevoar o deserto (conexão L.A. para o midwest): realmente, fiquei impressionado. Lá de cima, tantas linhas (rios? falhas geológicas?), desenhos, cores de terra e montanhas, curvas, traços, riscos que mais pareciam um quadro de arte moderna... me senti uma formiga caminhando por um imenso quadro de arte abstrata... me senti uma formiga caminhando sobre o Pollock que enfeita meu quarto.

Tantos pensamentos... lembrei de um trecho do paper/tese que escrevi, onde queria fazer uma analogia entre periodicidade temporal e periodicidade espacial 

"uma formiga que anda sobre a pele de uma zebra vê-se num mundo que muda de cor de tempos em tempos"

Por um segundo aquela formiga era eu... por um minuto me senti pequeno diante de tanta beleza e pequeno diante de tantas coisas que me afligem agora. Será que no meu caso sou um caramujo andando sobre os traços desformes da minha própria vida, percorrendo as linhas inexatas de uma vida que até então parece sem muito rumo.... um quadro onde duas retas paralelas se emaranham, se perdem em si mesmas e, no fim, acabariam sendo uma mesma coisa? O uno, a união de todas as cores.... no fundo talvez tudo não passe de um quadro pintado de branco.

Não sei se a formiguice da vida me veio por associação com um trecho -incrível e hilário-que havia acado de ler em um livro... enfim, acabo o post de hoje com ele (que por sinal, é muito bom)


"
Quando Júnior passa em frente a uma loja, que está fechada como todas as outras, o alarme dispara. Desconcertante. Antinatural. Um ruído ininterrupto. Monótono. Provavelmente alguém tentou roubá-la. Ou o alarme disparou por causa da súbita mudança climática. De qualquer forma Júnior apressa o passo. Não quer ser o suspeito.
O botequim que serve o pior café da cidade está aberto. Júnior pede um conhaque. Há outro náufrago a dois assentos, bebendo cachaça. Há tanta amargura no rosto dele que Júnior procura puxar papo.
-Dia estranho, não é mesmo?
-Como?
- Dia estranho.
-Todo dia é estranho.
-Não. Hoje... essa névoa... essas ruas desertas...
- Pra mim, todo dia é estranho. Eles nunca me convencem
- Quem não te convence?
- Os dias.... são falsos... estranhos... isso não pode ser a realidade... não é possível  que seja... isso é.... sei lá que porrra é isso tudo.
- Talvez....
-Sabe? Eu descobri como funciona esse esquema.
- Ah, é?
- Você já viu aquele planetinha daquele livro do Pequeno Príncipe?
-Sei, acho que me lembro
O outro faz um gesto com as mãos formando uma esfera no ar.
- É um planetinha, pequeno... Tem uma flor e acho que uma casinha.... É assim.
Diz isso projetando a pequena esfera na direção de Júnior.
-Sei, sei...
- É isso, porra! É isso...
- Entendo.
-Entende, nada. Entende?!
O outro faz um gesto de desprezo, que desmancha a esfera.
- Eles botaram a gente aqui.
- Claro...
- Deus botou a gente nesse planetinha do caralho. Do caralho do pequeno Príncipe. Aí ele falou: Meu amigo, tudo isso é seu. Tem ali uma plantinha de merda que dá um fruto gostoso. Ali tem uma vaquinha de bosta que dá leite. E tem trigo pra fazer pão. Até aí tudo bem, não é?
-É tudo oque precisamos...
- É. Mas aí ele mostra um buraco na terra. Um buraco feito uma cova.
-Certo...
Então ele diz: Tudo isso é seu. E ainda vou te mandar uma mulher e umas crianças... Isso eu achoque é só pra encher o nosso saco e distrair dessa merda toda. Assim não sacamos o esquema, tá ligado?
- E qual é o esquema?
-Posso continuar?
-Claro.
Então faz o favor de não ficar me interrompendo. Bom! Aí Deus explica o esquema. Ele diz: Meu filho, tudo isso é seu. A única coisa que você precisa fazer é tapar aquele buraco. A tal cova que eu te falei.
-Sei.
-Pois então. Cada vez que esse homenzinho tapa a porra do buraco, acaba fazendo outro do mesmo tamanho. Percebe?
-Entendo.
-Então. É isso. É isso sem fim. Tapa um buraco, faz outro igual. Tapa um , faz outro. Até o dia em que o infeliz morre. Só assim você pode tapar o buraco sem fazer outro igual. O buraco é sob medida.
-Legal.
-Porra! Legal, o caralho!
-A história, qus dizer.
-Ou seja, é pau no teu cu. Percebe? É isso. Pra Deus nós somos apenas os que podem tapar o buraco que ele não conseguiu tapar. Entende? É como na obra. Se falta areia, cê não faz parede. Não adianta tijolo, nem cimento. Eu acho que Deus errou nos cálculos. Aí, como já estava de saco cheio, inventou a gente. Tipo umas formigas. Uns formigões. Sacou?
-Tem até aquela música que diz mais ou menos isso. Como é mesmo? Ah! - Júnior cantarola: - Essa é a terra que queria ver dividida, é a terra que te cabe nesse latifúndio....
-Não tem nada a ver. Isso é política. Política! E nós estamos falando de religião. Religião!
-Está certo...
-Percebe?
Claro.
-Uns formigão do cacete!
Júnior termina a bebida. O filósofo não pára mais de falar.
-Bom, meu amigo, eu vou nessa.
-Vai, formigão, vai que vai! "


A arte de produzir efeito sem causa - Lourenço Mutarelli

terça-feira, 20 de maio de 2014

Life beyond a barbed wire fenced sky
































[No final do inverno eu andava e ficava olhando para a copa das árvores, sentindo os galhos ganhando dimensão à medida que as folhas iam crescendo e brotando. Me pareciam em muito com cercas, arame farpado que crescia cobrindo o céu... talvez tentando impedir o inverno de regressar]

[Diversas vezes eu parei minha bicicleta pra ficar fotografando a copa das árvores por baixo] 

[Depois de um tempo eu larguei mão: me tomava um certo tempo parar, tirar o celular do bolsto e tentar capturar algo minimamente decente]

[Passei só a apreciar]

[Ficava pensando então em como seria um país em que o céu fosse feito de arame farpado: oque não impediria sol e chuva de entrarem, mas ainda assim seria um céu de cerca. Imaginei que, se muito alta, não seria vista e que, mesmo se as pessoas soubessem dela ela ainda estaria lá] 

[Não tive como não associar com a cerca que separa os EUA do México.. da qual pouca gente sabe e/ou vive sem nem mesmo imaginar que ela lá está. Fiquei pensando na analogia céu/terra, EUA/México, as pessoas cruzando o deserto pra procurar uma vida "melhor", o país da liberdade MAS com um céu feito de arame farpado ...etc.. o pensamento indo longe quanto à história na cabeça...aí desencanei e resolvi só postar as fotos]

domingo, 13 de abril de 2014

Pas de deux


Pas de deuxbyNorman McLaren, National Film Board of Canada

[Norman McLaren faria 100 anos por estes dias]
[Filme meio "longo"-13 minutos!!!- mas muito bom]
[...ainda mais se vc levar em conta que foi feito em 1968]
[ Os "efeitos especiais" brincam com essa idéia do dueto por meio de imagens duplicadas + delay]
[em suma, espero que gostem]

domingo, 16 de março de 2014

O fim de uma era(?)


Um caramujo segue por uma estrada de terra. No corpo, somente a poeira dos lugares pelos quais passou. Às costas... digo, acima de sua concha, uma pequena mochila. Acostumado a seguir sozinho pelo mundo, ele conversa em voz alta consigo mesmo... às vezes se dirigindo à sua concha:

"-Me disseram uma vez que nós caramujos viemos todos do mesmo lugar... na verdade é uma história mais longa, que conta a origem de todos os bichos."

[pausa]

" - Nela, se diz que os caramujos vieram do umbigo de uma deusa... é curioso pensar por que do umbigo, né? O umbigo é só um botãozinho... como a gente sairia enrolado de lá?! Mas, ao que parece, era uma deusa com um umbigo meio engraçado, que parecia uma concha de caramujo... aí a gente saiu assim..."

O caramujo pára e pensa. Talvez devesse fazer um lanche, talvez devesse tentar ir mais adiante. 

"Então... não se sabe muito bem quando isso aconteceu....  As pessoas acreditam ter sido no fim da era mezosóica e que, com a criação de todos esses bichos, nós marcamos o começo de outra era...  quando, na verdade, o fim de uma era não implica o começo de outra... acho que são momentos de transição, em que as coisas procuram seu próprio lugar, de maneira a se ajustarem de novo, a se equilibrarem. É um processo... as coisas levam tempo para tomarem seus devidos lugares... isso se um devido lugar pras coisas ficarem de fato existir... quem sabe? "

[uma risada boba e breve]

O caramujo olha para um grande lago e pensa.. 

["será que é a baía de guanabara?" ]

" ...ainda acho que, ... não.. pérai... deixa eu pensar melhor.."

Olha para a paisagem... que talvez não seja nada mais que um grande pântano:

" acho que transições se fazem em grandes escalas... por que a transição se dá naturalmente com a chegada de mil possibilidades, de mil novos caminhos para serem seguidos. E todos eles, de certa maneira, parecem ser testados quando só um é escolhido... no começo ninguém sabe em que direção às coisas vão mas ...isso por que se todos os caminhos fossem pegos não se chegaria a lugar algum, não? "

[silêncio]

"... é... não se chegaria a nada. Desistir é, em muitos casos, ter que começar do zero, ter que começar de novo.. aí sim uma nova era começa... mas antes é preciso não ter medo de deixar esses projetos... ou mesmo sonhos, de lado... "

[pausa longa]
[pensativa]

"Não... não... acho que cada um desses caminhos talvez persista e ressôe nesta rota final .... Por que eles não foram abandonados, eles só não foram tomados como curso por alguma razão.  Mas enfim... são apenas sonhos, projetos que não vingaram... uma nova era seria o não medo de se começar do zero."

[O caramujo pára pra tentar entender oque disse...]
[Mas desiste, e se aconchega debaixo da sombra de uma folha]
[Quando sai, se depara com um sapo.]

Vendo-se entre a vida e a morte, o caramujo sente o silêncio e o vento frio a sua volta. O sapo lhe encara... mas depois de alguns longos segundos, salta para longe de sua vista. 

[respira]
[respira]

E segue viagem, carregando mais dessa vez em seu corpo um pouco da lama do chão por onde acabara de passar; seguindo adiante, ele continua sua peregrinação, mesmo sem saber muito bem pra onde vai.