quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Fora de tempo

Acordo cedo pensando em me me dar um abraço, mas já é tarde: já estou na cozinha preparando meu café. Como um zumbi, não me dou conta dos minutos a mais que passo dormindo. Perco-a-hora-poutz! Levanto-me e, como num repente e ainda pensando no abraço não entregue ao seu dono, corro pra cozinha disposto então a me dar um beijo de surpresa...mas já é tarde: não estou mais em casa. Me espero por diversas horas, penso ando posso estar, alimento idéias, boas, ruins... vejo se estou online... me envio uma mensagem, mas não obtenho resposta. Num ato de desatino, saio em desvario ao meu encontro. "Devo estar no trabalho!!", digo pra mim mesmo. Chego lá ofegante, correndo.. mas nem toda a pressa faz com que me encontre. Já é tarde... talvez tenha esperado demais... não estou mais lá, nem em lugar algum. 

Volto pra casa, pensando na sorte que seria me encontrar no caminho.  Engano-me... não sei onde estou... "epa! Acho que me vi"... mas não... só um reflexo num vidro. Chego em casa e vejo que me perdi por pouco: passei em casa... droga... sempre por um triz.

Espero pacientemente diante do cair da noite mas não dou o ar da graça. Decido ir pra cama. Caio no sono... acordo com um barulho. "-Alguém cantando". Por um segundo acredito que sou eu chegando, mas parece ser só um bêbado na rua. 

Abro os olhos... 

suspiro.
Postar um comentário