sábado, 5 de setembro de 2009

Como os antigos - post #2

Esse post dá continuidade ao post # 1(neste link)


Oque é bom senso: tudo que se faz ou deixa de fazer pode ser relativizado. Da mesma forma que a morte de um gato pode ser ruim (pra família do gato, por exemplo) ela pode ser boa (e até mesmo motivo de orgulho!) para o cachorro que o mandou pro céu dos gatos. Há de se pensar por este singelo exemplo que definir bom senso é algo impossível. No entanto, como a virtude é um caminho entre os extremos (segundo aristóteles), definiremos, parafraseando este grande pensador, que bom senso é um gps imaginário que guia as pessoas que seguem o caminho da virtude (1X0 pra mim...falei tudo e não falei nada, como prometido =)

Oque são manias: tudo que se faz ou deixa de fazer pode ser considerado uma mania (tentando ser geral o bastante para não falar nada no começo). Manias são coisas que você tem o costume de fazer naturalmente por alguma questão de (mal) hábito e, normalmente, não sabe como e nem conseguirá parar de fazê-las sem levar um milhão de puxões de orelha. Geralmente manias são coisas desnecessárias à tua vida (mania de mascar chicletes, de dormir com meias etc etc), mas vc não pode viver sem elas


Oque é vitalidade: vitalidade é aquilo que, em essência, contraria sua mortalidade. Quanto mais vivaz é algo, mais distante esta coisa parece estar da morte; ou mesmo do seu fim, quando morte não faz sentido. Mas há de se pensar que, com uma definição genérica como essa se possa dizer " que vitalidade este liquidificador, não???!!!!" .... é, vc realmente pode dizer isso, como pode dizer várias outras coisas que satisfaçam esta definição clara e objetiva....vc pode falar o que quiser da forma que quiser...seria até chato eu dizer que não.. bem, a definição é essa, e nos será o bastante.


Tendo atravessado este ambiente sujo e escorregadio que são as definições filosóficas, iremos para os resultados disso tudo (...filosofia também tem teoremas, corolários, escólios)

Faremos um paralelo com a teoria de microeconomia: assumiremos que cada pessoa possui uma função m, que mede sua mania, uma função v, que mede a sua vitalidade, e uma função b, que mede o seu bom senso. Assim, se t é o instante de vida do sujeito, b(t) é a quantidade de bom senso que ele tem naquele momento, m(t) é a quantidade de manias que ele possui etc. Mas como entender m(t) = 2.5? Fácil!! A pessoa tem 2 manias (por exemplo: contar segredos para seus bichos de pelúcia e falar sozinho ) e está a meio passo de desenvolver uma outra mania!
Outro exemplo esclarecedor: se um indivíduo tem v(1) = 10 e v(2) = 3, então ele está com uma vitalidade menor no tempo 2 do que no tempo 1. Mais adiante provaremos que a vitalidade, realmente, só pode decrescer com o passar do tempo.

Aguardem o post # 3

=)
Postar um comentário