quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

...e que toda escolha é uma forma de renúncia

Saudações efusivas e cansadas numa quarta feira de cinzas!

Ando um pouco sumido, não? É pessoal, as coisas por aqui estão difíceis: fim de mestrado, fim de carnaval, listas de exercícios, monitorias de análise... mas nem por isso eu deixei de viver!! E de conversar com as pessoas (sobre coisas que não matemática)

A história de hoje é sobre uma discussão que tive sentado a guia da rua, no meio do carnaval. Não sei se é otimismo meu ter discordado de quando me disseram que toda escolha é uma renúncia. É difícil discordar disso, parece até que são coisas equivalentes, que podem até constar num dicionário como um mesmo verbete. Nem sei por que discuto isso aqui, publicamente.. talvez não passe de  uma grande perda de tempo (como várias coisas que eu faço)...vou seguir adiante de qqqr forma. Ainda mais para não perder o hábito =)

O grande ponto das discussões sem sentido é que vc tem que começar elas como se o ponto a ser discutido fosse realmente importante. Esse artifício, mto comum em livros de auto ajuda, espirituais, e de física moderna, é o que torna a coisa toda digna de nota (ou que ao menos dá a impressão de ser relevante  este ponto)


...puts...vou ter que terminar isso depois.


[suspense]
[mais suspense]

[pare de roer as unhas, isso é feio]

=)

7 comentários:

Babi disse...

Já me disseram bastante: "Aprender a viver é aprender a escolher." Não está aí implícito a renúncia?

Saudade, mané!
Acarajés (direto da Bahia!).

Milene Mondek disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Milene Mondek disse...

A vida é feita de escolhas e renuncia, mas isto não é ruim, isto é apenas a vida.

Aapenas é importante você ter consciência que a todas as escolhas levam a renuncia de algo.

Pense matematicamente:
Seja S o conjunto das coisas que acontecem com sua escolha. O complementar: vida-S será o que você esta renunciando.
Heheheheheh

Só espero que vc descobrir isto não faça vc ter medo de escolher!

Beijos e sempre lembre desta frase:

“Existem coisas melhores adiante do que qualquer outra que deixamos para trás" (C.S Lewis)

K & Cia. disse...

Taí um assunto inútil (e parece que são os inúteis que nos fazem escapar e então nos transformar) que me fascina. Existe a deliberação (o processo, a investigação) e a escolha (o fim). Acho que a renúncia está presente durante a deliberação. Portanto, enquanto se sente angústia, ainda não escolheu. E por isso talvez a sensação da boa escolha seja de um tremendo alívio.
Pessoalmente, posso dizer que fiz uma ou outra grande escolha. Foi assim mesmo! Algumas vezes vinha um "será que fiz certo?" Mas aí, meu caro, tento fazer como diz o Lenine: "transformar a perda em nossa recompensa". Pouco a pouco, deixo de olhar para trás!
Bj

Rafael disse...

Hummmm comentários inteligentes... preciso responder com mais calma. Vou ver se acho umas respostas boas no google

=P

Lívia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rafael disse...

Olha...só pra avisar: as pessoas ficam postando comentários e "ultimamente" elas mesmas os apagam...não tenho nada a ver com isso, lavo as minhas mãos.

=1