quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

A arte e a ciência se engalfinham em plena luz do dia, no carnaval carioca

Bom...apesar do título do post (não sabia qual seria o título do post de hoje rsrs) eu passei aqui só pra postar sobre o carnaval. Na verdade, pra falar sobre as conversas que eu travo com outros matemáticos à respeito das pessoas e as relações que elas tecem entre si (relações sociais..não estou falando de putaria...rsrs). Uma espécie de antropologia matemática...ou matemática aplicada ao estudo de interações sociais....bem, qqr coisa que se pareça com isso.

O que nós mais discutimos e tentamos desenvolver  são novas  concepções científicas e, nas árduas conferências que temos no meio dos bloquinhos de carnaval, discutimos novos teoremas, conjecturas, e outros avanços deste "novo" ramo da matemática. Certamente, dizer que é um novo ramo não passa de pretensão da minha parte, mas esta nova forma de se fazer ciência no século XXI é bem recente =)


Dos teoremas que ouvi, deixo uns aqui:


Teorema de Manél: se você se aproxima de uma mulher, conversa com ela, e ela ri mais de três vezes das coisas que vc fala, ela está te dando mole.

Corolário: o teorema anterior também vale substituindo a palavra mulher por homem (e os pronomes, de forma adequada), ipsis literis



Teorema dos óculos importunantes: duas pessoas com óculos não conseguem se beijar direito. E mais, s eno meio de um bloco elas tentam fazer isso, a probabilidade de isso dar errado é 1 (probabilidade quase certa)

Nota: o teorema acima é bem mais sutil, por que vc tem que definir o que é beijar direito, que entra um pouco em teoria da utilidade dos beijos (algo com um papel semelhante ao da função utilidade em microeconomia). Outra coisa bonita da prova deste teorema é que, se a probabilidade de dar errado o beijo (alguém cair, tropeçar, ou engolir o outro durante o beijo) for menor do que um, então um dos beijantes teria que estar sem óculos. Este novo tipo de prova (uma prova probabilística) abriu horizontes no estudo de interações aleatórias entre pessoas aleatórias num, mundo real (que só existe na cabeça dos cientistas, certamente)


Pra vocês não dizerem que eu não interajo com os caros leitores, que não vos agrado com problemas para um fim de tarde, coisas para lerem quando no café da manhã, sudokus para impressão e lazer doméstico, vou deixar aqui alguns problemas em aberto. Se alguém tiver uma prova, por favor, me envie ou publique num paper (como na science, ou no physical review letters)


Conjectura: não existe pecado do lado de baixo do Equador

Nota: a conjectura acima perdura há mais de 5 séculos, desde que os espanhóis começaram a explorar as americanas, digo, as américas.A igreja bem tentou justificar isso na marra, com uso de lemas escusos, como existência de deuses, vendas de indulgências, o fato do planeta ser uma placa e não uma esfera.... mas isso foi recusado no maior de todos os meios científicos do mundo: o bom senso humano =)

Bom ..é isso. Se alguém tiver mais teoremas carnavalescos, pfv, enviem..digo, submetam-no a este blog! Ele será lido cuidadosamente pelos maiores especialistas do mundo no assunto. Coisa criteriosa mesmo, de respeito.

ps: é sério!
Postar um comentário