quarta-feira, 7 de março de 2012

Quando todos os teoremas mais parecem metafísica II (ou "princípio de invariância galileliano")


É de se entender que, enquanto física, nossa vida pode começar em qualquer ponto que ela não deixa de ser outra senão vida  - ou uma forma de. Este árduo processo não depende do t_o (dito aqui "tê-zero"), embora as pessoas sempre se esqueçam do quanto já andaram para chegar onde estão: sempre nos parece que começamos hoje, embora este hoje seja fruto de muitos e muitos ontens. 

Abaixo, três maravilhosos estudos em lápis carvão entitulados "estudos em lápis carvão feitos enquanto o microondas esquenta minha janta e eu fujo do meu tê-zero"; autor, desconhecido.








[tê-zero  te perseguindo]


[tê-zero te procurando atrás de uma moita, enquanto você se esconde atrás da árvore]
[Não seja ingênuo, isso é sério: eles não estão brincando de pique-esconde!]


[Nosso herói, numa manobra hábil, se esconde em cima da mesa, longe dos olhos baixos de tê-zero]
[tê-zero é como um câo sem olfato]


Postar um comentário