segunda-feira, 22 de março de 2010

Dias vagos que se fazem plenos

Observação antes de se dar oi: o post de hoje deve ser lido ouvindo a música do filme abaixo...vcs só podem começar a ler quando ouvirem as primeiras notas do piano...



Tenho mta saudds de poder ter mais tempo pra falar com todos os poucos vcs, que pra mim me parecem muitos e que, se eu deixar, entram na minha casa e a preenchem de todas as formas. Mas não os expulsaria, nem os jogaria pra fora da minha cama (tragam um pedaço de bolo, esta é a senha para que eu os deixe entrar.... um pedaço de bolo por pessoa =)

Ando num momento incerto da minha vida. Ok, isso não faz diferença pra ninguém...só queria tentar falar das coisas que me acalmam, a presença de coisas intocáveis, mas nas quais nos apegamos nestas horas de infortúnios espirituais e nebulosidades. Alguns chamam isso de deus, mas eu não creio nisso (é uma opinião só... talvez algum dia eu mude de idéia, estou aberto a reconsiderar mta coisa.. até aberto a reconsiderar que eu não devo reconsiderar isso rsrs). Mas voltando, essas inquietudes espirituais exigem de ti  algo que te guie e ponha no lugar. Que traga sua cabeça de volta de saturno e ponha os teus pés no chão de forma tão leve e -vc não sabe como- segura, que mesmo uma erupção pode ocorrer embaixo da tua janela que vc está ali, inabalado e se aprofundando em si mesmo...bebendo das suas próprias dúvidas para tentar vomitar algumas respostas.


Mas isso tudo não é o que eu chamo de crise existencial, como eu achei que fosse entrar há alguns posts atrás.. isso tudo é deixar minha cabeça fluir e escrever pra vcs enquanto eu ouço a partita #6... é isso que o mundo me oferece eqto ouço uma música como esta.

Acho que o post de hoje é isso... uma impressão de dentro pra fora... como alguém que te fisga pelas entranhas com um pequeno anzol mas não te mata... só te eleva pra longe do seu habitat, te oferece um bolinho de arroz com chá de camomila, te põe na cama e te dá um bj de boa noite
Postar um comentário