domingo, 18 de agosto de 2013

... said my name is called disturbance


O título de hoje vem de  "street fighting man", dos Stones. Chamaria isso de 'peso na consciência'... ainda mais depois do remorso em ter ( quase) brigado no meio desta última  noite/manhã. Acho que é o James Gleick que, num de seus livros no qual fala sobre teoria do caos, diz que existe um horário na madrugada em que as chances de coisas erradas acontecerem aumentam: um ponto, uma curva, uma singularidade; sim, acho que tropecei numa dessas ontem. 

E aí vc volta pra casa e tenta traçar o por que, onde faltou a razão, onde a razão de perdeu, onde vc se deixou levar por tudo aquilo que não o bom senso. 

... 5 minutos ... algumas poucas fagulhas foram o necessário.
... 5 minutos.. e isso. 

Não sei... talvez a maior lição que possa tirar disso seja a prática da paciência. Interessante por que muitas vezes temos essas palavras como adjetivos... mas não é bem verdade: a exemplo de amar, que não é um sentimento apenas, mas um verbo, no qual se condensam atitudes, gestos e sinceridade... por que não o mesmo com a palavra "paciência"? Paciência, enquanto ato para si mesmo, dada ao mundo e ao que te cerca. Talvez paciência seja um caminho limítrofe entre a racionalidade e esse mundo cheio de fagulhas onde as coisas fogem ao nosso controle.

Enfim... termino esse post com um trecho de Fernando Pessoa em seu "livro do desassossego" 


[10]

E assim sou, fútil e sensível, capaz de impulsos violentos e absorventes, maus e bons, nobres e vis, mas nunca de um sentimento que subsista, nunca de uma emoção que continue, e entre para a substância da alma. Tudo em mim é a tendência para ser a seguir outra coisa; uma impaciência da alma consigo mesma, como com uma criança inoportuna; um desassossego sempre crescente e sempre igual. Tudo me interessa e nada me prende. Atendo a tudo sonhando sempre ...
Bom domingo a todos. 

Love + peace .... + patience
Postar um comentário