domingo, 31 de outubro de 2010

Da natureza humana (da faixa de Gaza, dos panos de pratos etc etc)

Não sei oque acontece: se não estou num bom dia, se o mundo parece estar mostrando mais sua cara hoje... comecei a manhã discutindo com meu roomate indiano por que a gente não deve deixar um pano pra limpar a pia pendurado no mesmo ''treco de pendurar panos'' (me fugiu o nome agora! Acredita?) que um pano de prato fica. Pra ele não faz o menor  sentido. Bom, diante da rispidez e idiotice da resposta que eu recebi, eu abri mão: só não deixo mais os panos de prato pendurados lá.

Pqp... o ser humano é tão idiota qu eme estarrece. E não estou sendo especifista, e sim generalista. Todas as vezes que eu me vejo enredado no meio de uma discussão tão pequena como esta eu penso que a natureza do ser humano é a vaidade, elevada ao orgulho de ser ignorante. Talvez seja por isso que ainda existam guerras, faixas de gaza, baseball, mc'donalds....

Me lembro de quando eu tinha uma namorada (faz teeeempo pra caraleo), em que a gente discutia por causa da cachorrinha dela, que não conseguia segurar a vontade de fazer xixi quando ficava muito alegre. Era eu chegar na casa da minha ex que lá vinha a cachorrinha, se mijando inteira (e na sala, consequentemente). Ocasionalmente a gente brigava por conta dos mimos exagerados da minha ex à cachorra. Eu sempre tentava fugir das brigas, mas ela vinha toda toda... querendo um duelo.  E toda vez que a gente discutia, vinha um balãozinho na minha cabeça, com a seguinte frase:

''-Por que eu perco o me tempo discutindo uma coisa tão idiota como essa? Será que ela também não vê isso?''

Bom... perdia a porra do meu tempo e a cachorra continuava mijando em mim e na sala quando me via.

Isso me faz me lembrar de um filme que, acredito, é um dos melhores que eu já vi. Fala sobre relacionamentos, sobre a sociedade americana e sua competitividade em tudo - o mais rico, o maior q.i., o maior pênis, os maiores seios, o que chora mais rápido, o que serra mais rápido: eu considero esse filme, junto com aquela série do Bergan "cenas de um casamento" fotos panorâmicas de relações homem-mulher. (In)felizmente, nunca fui casado pra poder acrescentar aqui o relato de tal experiência.... mas do (pouco) contato social que eu tenho já dá pra ver que lidar com os outros não é fácil .... nem agradável, na maioria das vezes.

Ria, e o mundo sorrirá com você. Chore, e você chorará sozinho.

Vou na casa dos brasileiros comer um pão de queijo. Talvez isso me deixe menos desesperançoso de tudo e de todos.



7 comentários:

Babi Rodrigues disse...

Simplifiquemos!

Rafael disse...

Seria mais fácil e eficaz, acho

Ana disse...

mais chato tb

Rafael disse...

e sem densidade alguma

K & Cia. disse...

pelo menos flutua

Fernando disse...

Que p0rr@ de conversa maluca do "caraleo"!!!

Rafael disse...

Leia de trás pra frente...talvez faça mais sentido

=P