domingo, 14 de fevereiro de 2016

Sonho e ode à funcionalidade

Por esses dias tive um sonho estranho... sonhei que saia de casa e, curiosamente, entendia oque as pessoas ao meu redor falavam hehe :P

Acho que esse é o aspecto mais curioso de estar na Alemanha: ser um iletrado, que mal lê, que não entende oque se fala, oque se pergunta, placas, cartas, letras de música, avisos e alertas. 

Por outro lado,  há o choque cultural... que na verdade mais me está servindo de "lição" e que eu abordo com uma curiosidade quase infantil (de uma criança que descobre um bicho novo no jardim de casa): a funcionalidade. Não existe beleza por aqui, mas funcionalidade. Os teoremas, antes de serem provados de uma maneira bela, são provados da maneira que podem ser provados (desde que corretamente). As paredes(?): escale-as, não pense se da maneira mais bonita. As casas(?): funcionais. Os sorrisos(?): funcionais. As bicicletas(?): velhas, mas funcionais. Os carros(?): quadrados, mas funcionais.É um contraste enorme diante da cultura de onde vim, brasileira, onde a beleza parece imperar diante da eficiência. Ou a americana... (em que o estético se alia ao funcional de maneira consideravelmente avançada). Ou na cultura francesa (ao menos a matemática ): longas divagações filosóficas de teóricos franceses, os teoremas curtinhos e de palavras poucas, as longas filas em órgãos do governo e universidades.... na Alemanha? Que nada... eficiência. 

O belo fica sabe-se lá onde. Quem se importa?
Postar um comentário