domingo, 11 de dezembro de 2011

Rhinoceros

Este blog é meio diário de bordo, meio blog genérico. Tem a vantagem (propagandeando ) de não ser um micro diário que descreve cada momento da minha vida, como um facebook estúpido (por sinal, as pessoas estão perdendo a linha com o facebook:

a pessoa tem dor de cabeça- facebook
aumento de salário - facebook
orgasmo clitoriano- facebook...
...

e ficam nessa sensação falsa de participarem umas das vidas das outras ao interagir por meio de "likes" e comentários.... acho que o fb está virando uma doença.)

E por falar em doença, ontem uns amigos me convidaram pra sair e beber uma cerveja. O pessoal já sabe que eu não gosto de luta livre, essas coisas, mas falaram que era tranquilo ir, mesmo que só pra beber umas; iria no bar e não olharia a tv, estava decidido.

Difícil descrever a experiência de ter ido; a única vez que vi coisa do tipo no Brasil foi em jogo de futebol: ontem, um monte de gente - homens e mulheres... talvez mais mulheres do que homens - gritando por dois caras que se arrebentavam, se machucavam num ringue. Ouvia comentários como

"porra!!! pq que ele não vai lá e dá uma joelhada na cabeça do cara, mata ele..."

É o extremo da desumanização... me senti na Roma antiga...panis et circensis. Aí rola aquela pergunta machista do pq vc não curte tbm:


" Vc é uma mulherzinha que não gosta de ver sangue?"

Não, não gosto, mas não é só isso; não consigo deixar de imaginar que um cara como aquele está sendo pago pra agredir uma outra pessoa para que um monte de gente se deleite, beba suas cervejas e volte pra casa pra dormir sãos e salvos debaixo de edredons quentinhos, não sem antes tomar um leite com ovomaltine. Alguém pensa que aquele cara tem pai e mãe? Que ele mesmo pode ser um pai? Sei lá, talvez eu esteja virando um cristão inrustido rsrsrsrs mas pra mim isso é desumanizar, é reduzir a bicho...a fera, no caso: bichos são as pessoas assistindo.

Não aguentei mais de duas cervejas no lugar: gritos histéricos, uuuuuhhh's, ahhhhh's, ai's... ahhhhh, ui's  As pessoas vidradas naquilo: a tv, o sangue, a tv.... a cerveja... nunca se esqueça de dar gorjeta pro bartender, mesmo que ele te atenda mal e nem olhe na sua cara.

Não sei o quanto isso entra nos "valores" em que uma sociedade se fundamenta. Estou num estado ultra conservador, e vejo isso no comportamento desses estudantes todos. Acho uma pena ver mais uma geração sendo moldada em forma e semelhança à geração anterior... às vezes acho que as gerações passadas só nos legaram miséria.

Acabei então por lembrar de um trecho de um filme que exemplifica muito bem tudo isso. Quando o vi pela primeira vez eu pensei:

" -nããão... só podem estar caricaturando o pessoal que vê essas coisas. Isso não acontece." 

Mentira. Gostaria de acreditar nisso, mas o público que vcs verão neste filme é igualzinho ao que eu vi ontem.

A parte interessante aqui é que o Sacha Baron Cohen dá um soco no coração do público, e faz uma coisa bem pra chocar mesmo. E oque ele fez é algo muito corajoso, mto mesmo: num país em que muitos raps - música mais ouvida pra cima e pra baixo - falam que vc tem que ter uma casa milionária e só andar com correntes de ouro no pescoço, que mulher é puta e só gosta de dinheiro, que gays não são gente etc.... você não pode esperar uma mudança se não por meio de um choque muito, mas muuuuito forte. E o Sasha Baron Cohen fez isso muito bem aqui.





Foi um desabafo. Me desculpem, mas tinha que relatar isso (pra não me esquecer depois)


ps: o título do post é uma menção àquela peça do Eugene Ionesco - "Rhinoceros", onde as pessoas, por um motivo que não dá pra explicar em tão poucas linhas, começam a se transformar em rinocerontes.

Nenhum comentário: