terça-feira, 12 de abril de 2016

Faça chuva ou faça sol

Há tempos não batia uma dessas: vontade de voltar ao Brasil... mas dessa vez não é como nas vezes anteriores, em que a vontade tropeçava em diversas impossibilidades como terminar estudos, arrumar oque fazer depois: eu tenho pensado seriamente em voltar.

Acho que esses dias todos aqui na Europa... essa quantidade enorme de mudanças de casa no último ano (até agora, 6). Estou em todos os lugares mas não estou em lugar nenhum. A impessoalidade enorme de casas em que você está mas não é tua, das cidades em que está mas só de passagem, dos dias que vive mas que - por dentro - tem dúvida se quer que passem rápido ou devagar. Parece-me que há uma necessidade fora do comum em me manter compacto e coeso, enquanto o mundo me pede para ceder e deixar acontecer, viver etc. Parece bonito, poesia, romance, mas não é: a realidade me exige presente a todo o momento e não há instante para ceder e me deixar largado por aí.

Vulnerabilidade? Hummmm.... talvez. Sempre penso duas vezes quando chego a situações assim. Uma realidade "hostil" aumenta e muito a nossa sensação de fragilidade/vulnerabilidade. Mas há outras coisas boas nisso: talvez eu comece a me sentir satisfeito com o que tenho construído, com o que tenho buscado pra mim mesmo. Isso tudo é um processo. É não só aceitar aquilo que o mundo me dá, mas também aquilo que  carrego dentro de mim. 

É curioso que essa dúvida - "volto-não-volto"- oprime, mas não há muito como dividí-la com outras pessoas. Mais e mais sinto que o desenvolvimento emocional das pessoas que amo é frágil demais pra atender minhas dúvidas e angústias bestas, meu cotidiano no qual fazer frio ou fazer calor tanto faz: meus maiores dilemas moram dentro de mim, e não lá fora. Nessas horas é melhor o silêncio. Assim você poupa os outros de micro-mágoas, de hostilidades gratuitas que poderiam destruir qualquer forma de relação mais adiante.

Peço pela paciência dos que estão longe querendo estar perto, e tento me fazer presente praqueles que estão próximos (no caso, ninguém hahaha). Seja presente, esteja presente e se faça presente. 

Últimos dias na Alemanha. Não sei quando posto de novo (e de qual país o farei). 







Postar um comentário