sexta-feira, 26 de abril de 2013

O bêbado e a fada ("The drunk and the pixie")



Um bêbado jogado numa calçada como umas dessas tantas calçadas mundo a fora... assim como também são tantos os bêbados quaisquer jogados pelas calçadas por este mundo. Este, no entanto, viveu uma história muito particular numa noite de quarta feira na cidade de... numa cidade qualquer, como tantas outras que existem mundo a fora =)

Depois de muito beber e ter todo seu dinheiro tragado pelo fervor de sua necessidade por álcool e  máquinas de caça-niqueis, nosso personagem cai a duas esquinas do bar onde bebera e a não muitas  de sua casa, onde esposa e filhos o esperavam (àquela hora, já dormindo).




Assim, caído e sem rumo, ele arfa, como se lhe houvessem enfiado a cabeça num balde cheio de um viscoso  rum... o silêncio da noite só existe dentro dele... lá fora os pássaros cantam vigorosamente pelo começo da primavera: é noite, mas eles a atravessam cantando e piando. Nosso amigo murmurumina qualquer coisa...

[Aparentemente ele cantarola desafinadamente um Carlos Gardel]





Uma fada passando por ali e vendo a cena lhe dirige a palavra:

"- Oque se passa, amigo?"

O bêbado lhe responde:

" - Ehrrraaaae esss  dbdvsvjcme  ellliiia ..."

[Suas palavras soam mais como grunhidos]

"-Como?"

"-Wehggjjdienbbkk jnnn laaaaaalala"

"-Hummm... pelo visto o senhor bebeu muito dessa bebida que vocês homens tanto gostam. Ahhh vocês, homens... "

[ela termina a frase num sorriso irônico]
[...quase maroto]

-Faremos o seguinte então.... eu limparei o seu sangue e te darei a pureza da sobriedade de volta...só que pra isso terei que lhe transformar numa lagarta.

[O bêbado tenta levantar a cabeça...]
[ parece estar tentando entender quem ali está menos sóbrio]

Num balançar de mãos e braços suave - como num passe de mágica - nosso amigo é metamorfoseado.

Subitamente sóbrio, ele tenta tatear seus bolsos. Logo, descobre que não tem mãos.

-Ó, céus... sou uma lagarta agora!... como terei uma carteira de agora em diante?

A fada, logo ao lado, lhe responde:

-Se enxergue!!! Você é uma lagarta!!! Lagartas não usam carteiras e muito menos têm bolsos!!

O homem se olha, dá algumas voltas procurando pela própria cauda...e diz.

"-Estou sóbrio... estou sóbrio..."

[A fada assiste àquilo em silêncio]
[Ainda mais por que o homem parece falar consigo mesmo e não com ela]
[...]
[mais silêncio]
[Passam-se alguns minutos, os quais a lagarta passa dando voltas caçando sua pŕopria cauda]

Até que a lagarta, antes um bêbado, diz

"-Obrigado, senhorita fada.... agora poderei voltar ao bar para uma nova rodada."

E seguiu adiante, rastejando e assobiando enquanto a fada mexia os braços e gritava 

"Vai pra casa, lagarta!!"


[Fiz esses bonecos com massa de fazer macarrão...]
[...enquanto meus amigos trabalhavam fazendo macarrão para todos no grupo comerem eu ficava lá, esculpindo esse bêbado]
[Devo agradecer a um amigo meu que disse que o boneco parecia estar bêbado, já que ele só caia e não parava em pé]
[A partir disso a história meio que seguiu naturalmente...e ele acabou se metamorfoseando em uma lagarta]
[ No final, como ele tinha que virar macarrão para alimentar aqueles glutões, tivemos que sacrificá-lo naqueles rolinhos de preparar spaguetti]
[O mesmo amigo então sugeriu que filmássemos o nosso amigo "caterpillar" (prefiro a palavra em inglês) sendo deglutido vorazmente por aquela máquina...mas a luz estava muito fraca e não saiu nada no vídeo: nosso amigo caterpillar ( o "real") morreu sem honra ou glória alguma...]



Postar um comentário